quarta-feira, 20 de novembro de 2013

Eles e eu

“Olha só aqueles dois ali trabalhando naquela laje. São vinte e três andares, se tiver as mesmas medidas do meu aqui. E tem o vento e a garoa. Eles pegam as caixas que chegam pelo elevador e atravessam o espaço inteiro sendo açoitados pelo vento frio, retiram as caixas do carrinho e voltam. Já estão nisto há umas duas horas.
Eu já atendi dois clientes, tomei uns cafés e eles estão ali ainda, trabalhando. Sem parar não sei como não estão duros de tanto frio. E sou tão maníaco que acho que eles estão reparando em mim. Parece piada mesmo.
E aposto que são do nordeste. Pra aceitar um servicinho destes só precisando demais mesmo. Deviam viver num calor dos infernos e estão ali sendo cortados pelo vento úmido e gelado. Isto está me torturando. Dá dó de ver, coitados. Tenho até vontade de fazer alguma coisa, mas fazer o que? Melhor fechar esta cortina. Assim eu fico na minha. Sem dor é melhor.”
- Atenção posto um, na escuta? Cacete! Que vento é esse, meu? – impacienta-se o policial – Responde aí, posto um! Cambio, porra!
- Na escuta.
- Porra, meu! Que demora! O alvo fechou as cortinas. Repito: o alvo fechou as cortinas. Perdemos o contato visual. É melhor estourar o ninho agora. Copiou?
- Entendido. Vamos invadir. E vocês podem sair dessa geladeira aí em cima.
- Vamos descer, vem! Eu já não aguentava mais ficar levando essas caixas pra lá e pra cá!


Nenhum comentário :

Postar um comentário