quinta-feira, 14 de novembro de 2013

Filhos - texto 1

L.
Sempre foi mais solitário e cresceu com a babá.
Ele passava os dias conversando com ela e assistindo televisão
Quando eu chegava, ele ficava mais na dele e o nosso processo de mútua conquista foi lento e consistente.
Ele falava sozinho, muito, brincando, andando, parado, parecia sempre estar refletindo sobre alguma coisa, e pena daquele que pensasse que ele estava no mundo da lua, como às vezes aconteceu comigo.
Numa ceia de Natal, eu de cozinheiro, servindo à mesa, ocasião em que havia pessoas que eu não conhecia, mas num ambiente informal e tranquilo, falei algo engraçado, que todos riram, e a mãe dele – vivíamos juntos na época – soltou uma exclamação, como que fazendo um gemido.
Ato contínuo ele, que estava na ponta da mesa lidando com sua comida no prato, começou a gemer: “ãh, ãh, ãh, ãh”
- O que é isso, menino? – perguntei fazendo troça e querendo continuar minha piada.

- É a mãe, de noite, ãh, ãh, ãh – e continuou comendo com a inocência dos seus três anos, mais que concentrado no capeletti ao sugo.

Nenhum comentário :

Postar um comentário